O sofrimento que viveram os cães de duas cabeças criados na Rússia. O médico ambicionava muito - Salve o Planeta

O sofrimento que viveram os cães de duas cabeças criados na Rússia. O médico ambicionava muito

- março 31, 2018

Foi nos anos 1950 e 1960 que alguns dos avanços médicos mais representativos do século passado foram feitos. No entanto, muitos deles foram alcançados à custa de experiências cruéis com animais.

O desenvolvimento médico que segue uma guerra sempre foi indubitável. Após a Primeira Guerra Mundial em 1918, o número de soldados que voltavam para casa  amputado era tal que a indústria de próteses médicas cresceu exponencialmente e seu design foi imensamente aperfeiçoado. Quando foi a vez da Segunda Guerra Mundial terminar, o mundo foi dividido em dois polos políticos diametralmente opostos, com os Estados Unidos à frente de um e a antiga União Soviética no outro.


Foi neste última onde o Dr. Vladimir Demikhov brilhou sendo pioneiro em transplantes de órgãos, como o transplante de um coração e um pulmão em um animal, embora também seja conhecido por uma série de procedimentos polêmicos que consistiram em transplantar cabeças de filhotes em corpos de adultos.


Em 1956, ele injetou a cabeça, as patas dianteiras e os ombros de um pequeno cão de dois meses no corpo adulto de um pastor alemão. Suprimentos de sangue de ambos os animais foram combinados, mas cada um reteve seu suprimento imunológico.


Os cães submetidos a estas intervenções cirúrgicas não costumam viver mais do que alguns dias antes de sofrer rejeição de tecidos e morrer, no entanto, houve um que sobreviveu 29 dias.



Para o Dr. John Conte, que é uma das maiores autoridades do mundo em transplante de coração, o trabalho de Demikhov foi "engenhoso" e provou que "o transplante era possível" graças a seus experimentos, disse ele ao The Sun.



Foi Demikhov quem cunhou o termo transplante em sua monografia chamada "Transplantes experimentais de órgãos vitais", publicada em 1962 e para a qual ele recebeu um doutorado.


O trabalho feito por este médico soviético é incrível e ajudou a desenvolver as técnicas atuais de transplantes,  às quais milhares de pessoas tiveram suas vidas salvas, devemos reconhecê-lo; No entanto, também é verdade que muitas de suas intervenções podem ser classificadas por muitos como bárbaras e carentes de toda ética e moral.

No próximo vídeo você pode ver outras de suas experiências.


O que você acha do trabalho de Vladimir Demikhov? Deixe sua opinião nos comentários e compartilhe esta carta. Lembre-se de nos apoiar com um Like.

Fonte: Wikipedia, UPSOCL
Advertisement